@estantedapolly

Uma criança de oito anos é obrigada a assistir seus pais serem torturados e mortos e isso mudou sua vida de uma maneira irreversível.
Vinte quatro anos depois, essa mesma criança se tornou um assassino frio e calculista, um ser humano manipulador, que tem um objetivo e que fará de tudo para alcançá-lo. Seu único porém: ele já nasceu um monstro ou o trauma sofrido na infância o tornou uma pessoa má?
Diante desse questionamento ele procura William, um famoso psicólogo infantil e faz uma proposta a ele, fornecer um certo número de crianças, para William acompanha-las e fazer um estudo, concluindo assim um trabalho que até o momento era só uma tese, as raízes da natureza humana, o assassino faria com essas crianças o mesmo que foi feito a ele anos atrás.
Também somos apresentados ao detetive Artur, um personagem peculiar, sagaz, perspicaz e que se tornou adorável a sua maneira, ele ficará na minha memória para sempre.
As discussões levantadas nesse livro são questões íntimas e que todos já se perguntaram algum dia, seja por fatores externos ou por experiência própria, o ser humano nasce ruim ou se torna ruim devido a acontecimentos trágicos? Ser um monstro é uma escolha ou inevitável? Até onde vai o seu bom senso quando seu egoísmo se faz presente? É possível se tornar uma pessoa boa quando a vida é implacável para você?
Você conseguiria calar o seu monstro interior se tudo o que você tinha e acreditava fosse tirado de você?
Esse é um thriller psicológico completo, não ficou nenhuma ponta solta, o autor soube amarrar tudo de uma forma brilhante.
A narrativa é rápida e fluida, temos um fluxo constante de informações, de acontecimentos intricados, em nenhum momento o livro fica moroso ou insípido, ele te prende, ele quer que você vá até o fim e irá te intimar a ler até a última pagina. 
O final desse livro foi de arrepiar, @gus_avila foi de uma inteligência ímpar, muitas vezes tive que parar e respirar, muitas vezes não acreditava no que estava lendo.
É aqueles livros que ficam martelando na sua cabeça mesmo depois de terminada a leitura, tive que ir atrás, perguntar, contar, debater... Espetacular, incrível, inteligente.

Gustavo Ávila